quinta-feira, 17 de março de 2011

Os melhores sambas da década - São Paulo 2007



A safra paulistana de 2007 parece um pouco com a de 2006 do Rio. Todos os sambas são nivelados, com alguns se destacando mais que os outros, mas sem nenhuma obra ruim. Todas são "audíveis" e a maioria é, inclusive, bastante agradável. Como um todo, os sambas paulistanos chegam ao ápice da verdadeira revolução qualitativa que se iniciou na década passada, mantendo o nível nos anos seguintes.
Os destaques começam pela campeã de 2007, Mocidade Alegre, que conseguiu um excelente samba, de ótima letra e melodia muito original, para o enredo sobre o riso. Destaque melódico para o refrão do meio e em letra para o começo da segunda parte, que talvez seja um dos melhores momentos textuais da história carnavalesca paulista. A Vila Maria também veio com uma das melhores composições de sua safra e pela primeira vez disputou o título com chances reais de vitória. O enredo sobre Cubatão, aparentemente sem grandes projeções, rendeu um sambaço à escola, só não sendo melhor que o de 2008. E por fim, a até então bicampeã Império de Casa Verde não conseguiu o tri, mas apresentou mais uma composição extraordinária ao falar dos impérios da história. Apesar da longa letra, o samba não é cansativo e possui uma melodia de variações muito boas, como é característica da escola. Além desses, também são destaques na safra de 2007 os sambas de Pérola Negra, Imperador do Ipiranga, Águia de Ouro e Vai-Vai.

MOCIDADE ALEGRE - 2007



Enredo: Posso ser Inocente, Debochado e Irreverente...Afinal, Sou o Riso Dessa Gente!!!
Compositores: China, Grandini e Magrão

Sou o riso dessa gente
Faço a vida mais contente
Tão inocente na criança a sonhar
Um mundo de magia conquistar
Batam palmas... No circo o show vai começar
Trago a alegria em seu olhar
Abram alas que o palhaço vem brincar
No picadeiro da imaginação
Sou emoção no coração
A mais bela expressão

Já fui malandro, sim
Com um jeitinho assim... Gostoso demais
Bom brasileiro, debochado e irreverente
Na chanchada fui a arte dessa gente


Tô no ar... Em forma de ironia, rindo à toa
Vejam só, transformo a tristeza em coisa boa
Mesmo nessa zorra eu vou gargalhar
Estar no meu povo quando desfilar
Cantar, sambar e ser feliz assim
Com minhas baianas rindo a girar
São quarenta anos, vem, vamos brindar
É festa amor...
Minha alegria vai te conquistar

A emoção transborda da veia
Meu pavilhão o samba festeja
Vamos sorrir, amar enfim
Vem Mocidade Alegre ser feliz



VILA MARIA - 2007



Enredo: Vila Maria: Canta, Encanta com minha história... Cubatão Rainha das Serras
Compositores: Panda, Edmílson Silva, Dom Álvaro e Rick Ramos

Guerreira, musa do meu carnaval, é divinal
A sua história, suas lutas e glórias
Renasceu das trevas pro Vale da Vida
Valente e destemida, reescreveu o seu destino
Vem das veias de um povo vencedor
A força que te conduz, com fé e perseverança
A trilhar um caminho de luz

O toque da sanfona faz enlouquecer
São festas, tradições, vem ver
Tem frutos do mar, devoção e alto astral
No reinado de Momo, a alegria é geral


Brilhou a arte, a literatura, reluziu cultura
Um grande gênio despontou
Exemplos que fascinam, a música, a medicina
O progresso foi fundamental
Virou grande pólo industrial
A mão que deixou as cores sem vida
Na tela fria de um céu cinzento
Hoje mostra a arte colorida da esperança
Emoldurada pelo azul de um novo tempo
És para o mundo um espelho, sua fauna, sua flora
E a exuberância do guará vermelho

O meu povo sambando no pé, é tradição!
A rainha das serras quem é? Cubatão!
Se o coração disparar de alegria
Adivinha quem é? Vila Maria!



IMPÉRIO DE CASA VERDE - 2007



Enredo: Glórias e Conquistas - A Força do Império está no salto do Tigre
Compositores: Raphael do Império, Júnior Marques e Carlos Júnior

É tão bom falar de sonhos e conquistas
Tempo bom... Onde a bravura imperou
Avante, meu Tigre, dando um salto para o oriente
Antes de Cristo dinastia com poder
Unificou e fez a China um império
O homem pode então saber
Que a natureza também tem os seus mistérios
Saltando rumo ao ocidente
Expansivo, crescente, o seu nome marcou
Gigante império macedônico
Formando pólos culturais, pelos continentes se alastrou

Lá em Roma a ambição
Partiu em dois um grande império
Romano e Bizantino, domínios a parte
Corrupção e arte


Chega a dinastia Otomana
Era dos filhos de Osman
Na idade do ouro a supremacia
Mas sem forças pra lutar contra a união do velho continente
Com a indústria naval o império britânico surgiu
Atravessou o mar e até a Índia se expandiu
Mais um salto e agora estou na minha querida América
Templos e grandes impérios
Formados por Incas, por Maias e Astecas
Meu Brasil, com a força de Deus o Império formou
Veio a independência e uma nova era começou

Meu Tigre guerreiro
Mostra ao mundo teu império, a sua coroa
Tirando onda de rei do samba
De peito aberto e pé no chão
E as cores do céu no coração

2 comentários:

  1. Realmente, a década de 2000 foi muito bacana em SP! Sambas excelentes e emocionantes!

    ResponderExcluir